Untitled design (33)
Depressão Pós-parto
3 de julho de 2016
sou mãe
Palestra: Sou mãe! E agora, quem sou eu?
27 de julho de 2016
Show all
Untitled design (30)

 

Olá!
Hoje vou falar um pouco sobre o desejo de engravidar!
Para muitos casais, o momento em que surge o desejo de engravidar e ter filhos tem sofrido alterações. Há algumas gerações, os casais se uniam e em seguida já começavam a procriação. Era natural, e não se pensava muito sobre o assunto ou o desejo de se ter filhos ou quantos seriam… Depois, e ainda hoje, outros desejos passaram a ser prioridades e antecedem a concretização do sonho da maternidade e paternidade, como os estudos, a carreira profissional ou acúmulo de bens, por exemplo. Os casais pensam, em sua maioria, em garantir uma estabilidade financeira, emocional e social antes de gerar um bebê. Até aqui, não temos problemas!
Mas vivemos também em uma sociedade que quer resultados cada vez mais rápidos, que cada dia mais perde a habilidade e paciência para a espera… É a tal, e já famosa, sociedade do fast food, das informações instantâneas. E isso não é diferente quando surge o desejo de engravidar. Uma fala comum no consultório é: “demorei a decidir e a querer engravidar, mas agora que eu decidi, tenho certeza do que quero e quero logo”… Hoje, quando o casal está certo de sua decisão, pára com os métodos contraceptivos que utiliza, mas a ilusão de total controle do corpo se mantém e, por isso, se espera que a gravidez aconteça nos próximos meses. Mas nem sempre acontece tão rápido assim…
Sabe-se que a cada ciclo menstrual, de tentativas frequentes e sem proteção, o casal tem aproximadamente 25% de chances de conseguir a gravidez. A cada período fértil as chances de insucessos são muito maiores do que as de sucesso, mas não nos preparamos para isso. Acreditamos que o natural é a concepção, e não o contrário, por isso, esperamos uma gravidez num curto espaço de tempo. Aquelas pessoas que conseguem engravidar na primeira tentativa, fazem parte da minoria do grupo de probabilidades naturais. De acordo com essas estatísticas, a maioria dos casais tentantes engravidam num período de dois anos de tentativas consistentes (frequentes e sem proteção). Para nossa cultura da pressa, é muito tempo de espera e, nesse momento, é importante aprender a lidar com as pressões emocionais, internas e externas, que envolvem esse período – a ansiedade e frustração são companheiras frequentes dos casais tentantes.
Ao decidir pela gravidez, é importante que se procure um médico para a realização de um check-up de saúde, tanto da mãe quanto do pai – as fases da pré-gestação, a gestação e o pós-parto são intensas e desgastantes, é importante que a saúde esteja bem. Após um ano de tentativas, vale a pena retornar ao médico e refazer os exames – algumas taxas hormonais e condições de saúde podem sofrer mudanças importantes nesse período. Após dois anos de tentativa, comece a cogitar a ajuda de um especialista na área, que poderá solicitar alguns exames e dar orientações mais específicas para cada caso.
Sempre vale a pena se atentar a alguns fatores que interferem diretamente na fertilidade:
• Idade
• Estilo de vida – alimentação, atividades físicas…
• Saúde física – doenças, histórico familiar, taxas hormonais…
• Saúde emocional – estresse, ansiedade, tristeza…
• Saúde conjugal – estabilidade do relacionamento, companheirismo, cumplicidade…
• A vida sexual do casal – frequência, período, atividades antes e depois…
Em outros momentos, falaremos mais sobre os sentimentos envolvidos nessa espera. Vamos aprofundar na ansiedade e frustração dessa fase de expectativa pela gravidez.
Espero poder ter acrescentado algumas informações importantes para o casal que quer engravidar. E estou à disposição no que eu puder ajudar!
Tenham uma ótima semana e até a próxima quinta!
Lembrem-se de deixarem seus comentários, críticas, sugestões e dúvidas!
Abraços!
Luciana Rocha

2 Comments

  1. Simplesmente adorei as dicas citadas aqui, realmente a infertilidade é um grande problema que afeta muitas mulheres e acredito que com um bom tratamento nós podemos conseguir o tão sonhado filho ou filha. Adorei seu blog.

    • Luciana Rocha disse:

      Que bom que você gostou, Heloíse. Fico feliz em saber! Um bom tratamento pode nos ajudar a conseguir alcançar esse sonho, mas pode, principalmente, nos ajudar a lidar com a ansiedade e frustrações do caminho 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *